Em um estudo observacional em 30 pacientes com doença de Crohn (CD), o grupo do Prof. Mechoulam descreveu que a cannabis medicinal foi associada à melhora da atividade da doença e redução no uso de outros medicamentos. Em um estudo mais recente controlado com placebo em 21 pacientes com doença de Crohn, que mostrou uma diminuição no índice de atividade da doença > 100 em 10 de 11 indivíduos sobre a cannabis em comparação com 4 de 10 com placebo. A remissão completa foi alcançada em 5 de 11 indivíduos no grupo de cannabis e um de 10 no grupo de placebo [1].

Canabinoides naturais e sintéticas atuam através de receptores específicos intestinais CB1, relacionado ás terminações nervosas do sistema nervoso simpático do intestino, e CB2, relacionado a células inflamatórias, para regular a permeabilidade epitelial, motilidade, secreção, bem como a migração de leucócitos, o recrutamento e a apoptose de células que podem prolongar o processo inflamatório [2].

 

Canabinoides intestino

Sistema Endocanabinoide, receptores CB1 e CB2 e a fisiologia do intestino grosso. [PubMed]

OPINIÃO AMA+ME

Sem dúvida, o sistema endocanabinoide abre as portas para a ciência na busca do melhor benefício dos canabinoides nas doenças inflamatórias intestinais. O uso, como suplemento, de um óleo de cannabis poderia diminuir a intensidade e espaçar as crises intestinais inflamatórias agudas, levando ao menor uso de antibióticos e corticoides além de internações hospitalares, pelos portadores de doença de Chron? A ciência poderá responder esta questão.

Referências

  1. Naftali T, Mechulam R, Lev LB, Konikoff FM. Cannabis for inflammatory bowel disease. Dig Dis. 2014;32(4):468-74. [PubMed]
  2. Schicho R, Storr M. Cannabis finds its way into treatment of Crohn’s disease. Pharmacology. 2014;93(1-2):1-3. [PubMed]